segunda-feira, 22 de junho de 2009

A flor.

Uma flor.. Sim! Dessa vez vamos compará-la à uma flor..
Começou, é claro, apenas como um botão.. Ouvindo quais suas obrigações e seus anseios.. Tomar sol todos os dias sem exagerar, de certo. Ser regada com toda delicadeza e cuidar de todo o jardim que se ergue ao seu redor..
Depois de tantos cuidados e zelos, da melhor forma, essa flor desabrocha..
Tomou os devidos cuidados e todos os dias era cortejada primeiramente pelo jardineiro, que vinha sempre conversar com ela e admirar sua beleza, e depois pelos beija-flores, borboletas, formigas e todos os outros elementos que compunham aquele maravilhoso jardim...
O jardineiro era, sem dúvida, a visita mais esperada! Ela achava fantástico uma criatura participar do mundo dela e de outros mundos ao mesmo tempo. Não tinha medo dele, afinal, ele cuidava com todo amor e zelava por cada um daquele jardim.
Bem, na tardou para que o jardineiro tornasse as visitas menos frequentes. A consequência disso ficou visível, antes uma flor perfumada e bela, hoje, desleixada e sem mais preocupações com o jardim que a acolhia.
Eu (Clara Emanuela), é óbvio que poderia dá 'n' fins para essa flor.. Mas ela infelizmente fez do jardineiro uma peça essencial em sua vida. Isso não seria problema se sem ele, ela continuasse a exalar o perfume da natureza. A flor, perdeu algo e murchou. E junto com ela foi parte de seu tão iluminado jardim. E é exatamente assim que acontece com algumas pessoas.
Perdem 'peças' essenciais e se esquecem que tudo pode continuar: com defeito, sofrimento, recalques ou sei lá.. mas CONTINUA!
O importante disso? Aprender que é muito injusto com o nosso jardim e com a gente, desistirmos de nós mesmos. Há pessoas que precisam da gente pra construir vidas e histórias. Cuidemos da flor que somos nós e compunhamos com vontade esse enorme jardim.

Um comentário:

Anna Larissa. disse...

AMEI ESSE TEXTO, clariinha.
Foi como se você estivesse dizendo isso pra mim, emocionante!

Tá de parabéns!
beijo ♥