quinta-feira, 27 de agosto de 2009

A CARTA 18/AGO

Certo, muitas ilusões dançaram, mas eu prefiro não descrer de absolutamente tudo, prefiro deixar algumas esperanças acesas como velas. De todos os amores e desamores que trago no meu peito, você foi o mais marcante. De todas as gavetas e prateleiras que tenho dentro de mim, você tem um lugar de destaque.
E sempre soube que mais dia, menos dia aquele sonho ia acabar, eu apenas não esperava hoje dar de cara com sua hostilidade, não esperava que aquela linda página de nossas vidas fosse rasgada e jogada fora de uma forma tão brusca.
Nove meses é o tempo de uma gestação, é o tempo que leva para surgir um novo ser, e foi o tempo que eu levei pra cicatrizar algumas feridas, Essa carta não fará sentido pra você, eu sei, e talvez nem pra mim faça também. Eu apenas queria me livrar da sensação de que algo não foi dito, detesto quando as coisas ficam subentendidas. Gosto de lembrar de você como um doce passado, e não como uma desilusão. Como uma pessoa a quem eu dediquei o meu melhor e que se satisfez com a metade.
Não espero que retribua minhas delicadezas ou que entenda meus motivos, há tempos deixei de esperar coisas de você e portanto, espero apenas que leia e lembre desse 18 de Agosto como algo que existiu e não se pode negar.

"Das lembranças que eu trago na vida..
Você é a saudade que eu gosto de ter.."

IMPORTANTE! Créditos: Anna Larissa.

3 comentários:

Camila S. disse...

é de fazer chorar realmente! fico feliz ao ler seus textos e vê o seu talento! te amooo

Liu disse...

Arrazoooooooooooooou!!! beijos clarinha

Leandro disse...

Gostei! Vou ficar...
=D